Click here to skip to this page's main content.

 Hello!   Open Library is participating in our eBook lending program. Browse the growing lending library of over 250,000 eBooks!

Site Search

Site Search
Last edited by JC DI BALDACIARA
June 28, 2011 | History

Torga, Miguel

1907 - 1995

1907: Birth of Adolfo Correia da Rocha S. Martinho de Anta (district of Vila Real). - 1920: emigrates to Brazil. -
1925: Returns from Brazil. -
1927: Founding of "Presence" that works from the beginning. -
1928: Joins the Faculty of Medicine, University of Coimbra, Anxiety, the first book of poetry. -
1930: Leaves the "Presence". -
1931: Unleavened Bread, the first prose book. -
1933: Graduation in Medicine. -
1934: The Third Voice, prose, and begins using the pseudonym Michael Torga. -
1936: The other book of Job, poetry. -
1937: Creation of the World - The first two days. -
1939: Opening of the medical office in Coimbra. -
1940: The Creeps. -
1941: First volume of the Journal; Tales from the Mountain, which will be reprinted in Rio de Janeiro, land, sea, the first work of theater. -
1944: New Tales of the Mountain; Freedom (poetry). -
1945: Harvest, the first novel. -
1947: Symphony (theater). -
1950: Song of Man (poetry), and Portugal. -
1954: Feathers of Purgatory (poetry) -
1958: Orfeu Rebelde, poetry. -
1965: Iberian Poems. -
1981: The last volume of The Creation of the World. -
1993: The last volume of the Journal (XVI). -
1995: Death of Adolfo Correia da Rocha.
alt text


Adolfo Correia da Rocha, to be known by Miguel Torga, born on August 12, 1907, S. Martinho da Anta, municipality of Sabrosa, Tras-os-Montes. Son of country people, no longer off the origins of the family, rural and nature that surrounds him. Even when these are always present the Father, Mother, the schoolteacher Mr. Botelho, the rocks, the mountains, the thinness of the land, the sweat to start her bread, even the megalithic monuments in the region are full .

Enter the Seminar, shortly after you leave.

Emigrated to Brazil in 1920. It works on the farm of his uncle, is the hardness of the "weeding" of coffee. The uncle becomes aware of his qualities. Pay for his enrollment in high school and studies of Leopoldina, where teachers take note of his abilities.

He returned to Portugal in 1925. Enter the Faculty of Medicine of Coimbra. Participates in moderately carefree. While still a student publishes his first book. With financial help from Uncle Brazilian graduates in 1933.

The family is one of the focal points of his life. The father, with whom communication is done almost without words, is one of the strongest pillars of tenderness, love and respect. I cut my hair and my father did his beard .(...) It was always beautiful, the old man ... Recalls the arms of his father taking her granddaughter for the first time, newly born. The same love poems dedicated to his mother. For his wife and daughter a deep affection, too.

A portion of arrogance, a certain detachment of men, shyness is common to man from humble means:

Not always written that I am uncompromising, tough, capable of logic that comes to inhumanity. (...) It is not always admitted that I was irritated with this guy and that friend. (...) The trouble is that will not let me be alone, think alone, feel alone.

The desire for absolute perfection and truth:

That each phrase rather than a skilled outfit, was a seduction and an act (...) without subterfuge. To do it scrupulously clean of all impurities and ambiguities.

Do not give anything to anybody, it is said. Huge free consultations as a doctor, belie the atoarda. Can not afford slackers, confides to friends. That is understandable: for political reasons, his wife, Prof.. Andree Crabbe Rocha, is forbidden to teach, and over the initial year, costs are high editorial that publishes ...

The idea of ​​death and loneliness are with him permanently. As a child remain in the body and spirit. Of the twenty-five poems included in the last volume of the Journal, about half of evoke them. Not because he has reached a relatively advanced age or suffers from an incurable disease. In the forties and even earlier, already involved. Do not translate into fear, but in the sense of limit. Children yet, a night alone, (...) helpless and bewildered, watches his grandfather's death. What is not stranger to obsession.

At the funeral of Alfonso Duarte, doing the eulogy states that the death purifies the feelings.

Man is, unfortunately, a solitude: We are born alone, live alone and die alone.

Restless traveler across the country and abroad. Visit to China and India have close to eighty years. I look like a fool running this country and did not even know why such a pilgrimage.

The monuments excite him. The Jeronimos, the Batalha and Alcobaça have felt in the soul of the nation. Mafra is a stupidity that justifies a punishment for the gilded kings who did build the convent. The Paleolithic monuments fascinate you.

I'm a crossroads of two natures. A variety of different, say those who know him well ...

Dies on January 17, 1995. Buried in St. Martinho da Anta, among parents and sister.


"Camões with hammers made verses" says Miguel Torga.

The relationship with people at artistic, literary or otherwise, is not easy. More difficult with personalities and people in the public, more gracious to the humble.

He quarrels with his friends get-together. As a rule are not exceeded.

In exercise of the profession gives free medical consultations. Lose yourself in conversations with patients, especially those of modest or region.

No autograph or write dedications in his books, so that the reader is entirely free to judge the text.

An important political figure complains to the writer himself had denied that. Compare it to the best of luck for a woman they both know. Says he does not have to wonder because it lacks the attributes of beauty and elegance of the lady ... Without any malice, it is not given to naughty words.

Neither lends itself to works of other colleagues preface writing, subject to possible exceptions. The Chronicle account Coimbra, perhaps exaggerated, that, prompted by a rookie, said the refusal by asking, you want to publish his work or my preface?

He is not afraid to criticize anyone, even deified. Camões speaks of verses made hammer. Even the title of The Lusiads expressing our narrowness and the verses are more legible than the Divine Comedy. Is, nevertheless, great admiration for the bard and his work.

Attaches to our thinking and service to the absence of the smallest doubt.

Their suspicion and less patience with the intellectuals are vivid: convert to where I am forced (...) off it as soon as I can and return to living a less stressful and more fruitful, without hope in the (...) literate, illiterate among (...) still find laughter, anger, wonder ...

The Fatherland is a magnet

The wonderful world of Tras-os-Montes is one of his great loves. Always in your soul travels with him, seems to see it everywhere. Arises at every moment in his prose. Always praised as the land of God and the gods.

Not just him, will be so only those who want to earn it. So he says in Portugal, where it makes a picture of another of his loves: the country.

This worship leads to overeating. In the neighboring province of Minho is bored with the permanent presence of the green. Discouraged, Minho looking for a less corn, less grass, less vineyards. You where the grass gives way to bare earth, brown, identified with the human landscape. That is, with its Tras-os-Montes Christmas.

This is his territory and he sees what others can not see. A haven where you just reach out and he will be in potatoes, olive oil, figs, nuts. A host of other wealth and pampering beyond anyone's imagination.

But he had spoken of Marão years, which gives no straw or grain, the hungry children to graze weeds.

Is well recognized that the dinner is a condition to admire the beauty of color and relief from the tops of mountains ...

The hype reaches levels that only the symbiosis with the poetry of passion and boundless genius explain. The disputes among the citizens, sometimes hit each other, like wild animals (...) is the result of an exacerbation of pure crystal and virtues ...

Evora and its strongly attracted by the monuments. She epitomizes the diversity of peoples who came before, Latinos, Moors and others ..

His love for the Fatherland, a magnet, comes line by line. He goes to Spain, Verin and delights from the top of a castle looking Portugal.

Strangely enough, he accepts the concept of multicontinentality, though tempered by his universal humanism. Later emphasizes the differences in privileges between the two ethnic groups.

Every monument, every stone, every plain, the sea, the mountains, from the Portuguese, are fervently praised ...

A certain Iberianism: my country ends in civic Barca de Alva, (...) the telluric in the Pyrenees.

It does not reflect a position by union politics. It is made of references to own a cultural legacy and a common destiny. In The Life (Iberian Poems) to refer to people vasco, Andalusian, Galician, Asturian, Catalan and Portuguese, the Spaniards forget. Putting the heroes side by side, called inhuman and brutal Cortez, while Albuquerque just seems to cry your tears:

(...) Therefore, India is to end in smoke
In these gilded palaces of Lisbon;
Therefore, the homeland is to lose our way
The walls of Goa.

Published before the book, in which protrude Iberian Poems dedicated to Lorca. Preceding the preface of his wife to the bilingual edition (Portuguese and Castilian translation of Eugenio de Andrade), Torga Torgas says bring the pink and Granada to come while there is poetry, life and people in Iberia.


Torga values ​​and devalues ​​Coimbra.

Coimbra is one of the links Torga to life. He studies there and, after 1939, where he practices medicine, where lives and where his creative activity is revealed as a volcano in constant activity. It has its gatherings and their friends and spend every day for a few hours chatting with his friend John Fernandes, before coming to Central, the Brazilian or the Arcadia.

Coimbra brings her conflicting feelings: passion and timidity, humility, and immodesty, the (un) appreciation of what's next.

Their political position is critical to their concepts and then to university. The University (...) house to teach peasants to defend the originality of thought or subversive (...). The mystification of the cap and tassel.

Devotee of all that is beautiful and monumental in its Portugal does not have a word for the Church of Santa Cruz, to the Old Cathedral, Almedina, Church of Santiago. Or the streets of downtown, with its special charm that leaves no one indifferent.

He opens the chapter dedicated to him with a quote from that Eça puts into the mouth of the counselor Acacio, calling it odalisque reclining in his apartment ...

Parola tradition explains this state of mind. More extensively exposed in a section titled Graduation transcribed in Memory of Joy, volume anthology edited by Eugenio de Andrade, where he discusses the practices and traditions of academia. Always opposed them openly. In the cloak and cassock, anachronistic symbols, called uniform.

Crime against custom, carries out his graduation ceremony, with its banal fact. Does not prevent his clothes, as usual, are torn and destroyed by his colleagues.

Although softened, this aversion remains. The Burning of the Ribbons in 1957, is one of their birthdays funeral ...

But Coimbra is one of his loves. Then live, work and spend your time. The most beautiful city in the country, "(...) stage for a perpetual rebirth of the spirit.


It is not easy, accurately situate Torga politically. Before April 25, is undoubtedly a man of the opposition, the "against".

Several arrests and seized some of his works.

Goes to Paris and live with exiles in large numbers, will constitute the Socialist Party. Suggest that you stay with them. Refusal on the grounds that it does not adjust the distance of the country.

Back, is arrested by the secret police and imprisoned Aljube.

The passport is denied several times.

He presides at the first meeting of the Regional Center of the Socialist Party. Clarifies that it is affiliated, and it does as a man who has always been socialist. It is more sensitive to ethics than an ideology, more disciplined (...) brotherly co-religionist.

States that there will be systems and methods with others (...) to remain on good terms with our constitution and thrown face on the path of progressive democracy, (...) only succeed through original solutions. (...) Capitalism does not hesitate in the face of a bed of suffering; points to his incorrigible greed and, in another passage, see Judeo-Christian roots in communism.

Some years before, about the stages of intellectuals in politics, said, there is nothing less than the sociological application to a living community of the strict spirit of the system. And he accuses Sartre of prejudice have put up the concept in order to promote their image, without bothering to have any corrupted generations.

Its obvious impatience with the politicians and their distance from power, reconcile with claims that have a root anarchist. His political feelings resemble a socialist Proudhon, with a strong interaction with anarchism noble, deeply human, non-violent. Always in opposition to established power, so it represents the power away from the people that give it support.

The April 25, alongside the sense of liberation brings you some disappointments - the persecution, the demand for places. The policy is for them (politicians) and a promotion for me, an affliction. With irony and disbelief reports that politicians have conversations with him, regardless of the convergence or divergence in political affiliation.

Does not support or have the slightest sympathy for the European Union. It offends your patriotic spirit and his ideal country. It is the repudiation of a Portuguese poet for the irresponsibility with which a handful of accountants you alienated sovereignty (...) and Maastricht is to be an indelible stain on the memory of Europe. Rejoice with the Danes not to first referendum.

About regionalization question: The world is facing the tragedy of the diversity and us that there are eight hundred years we have national unity in territory, language, customs and religion, brainlessly we destroy it?

Adolfo Rocha decides to adopt the pseudonym of Miguel Torga.

Torga and his "Animal Farm" to feel human.

Decides to adopt the pseudonym Torga. Do not choose the name by chance. Torga, or heather, wild plant, humble, spontaneous, with its wild habitat on the ground around Portugal, but especially in the northern mountains, is the correspondent in the plant kingdom that force will be the poet and prose writer.

More than a harbinger is a whole program. The refusal to submit to nature and all other plans, human, political, social, that make up his work, full of strength, independence and intransigence. Against all the barriers, which apparently contradictory but complementary, sets out his truth without any restrictions on the enjoyment of people, events and facts, not afraid to attack the set at the same time not set aside those conservatives who believe, changes the their own positions as long as "their" truth requires. There is no uniformity of criteria possible before the surprising and paradoxical diversity of life (Diary XII, p.133).

In the 20s, his first published works, while still a student, are signed by Adolfo Correia da Rocha, the baptismal name.

Bonds, then the foundation, the group's presence in the company of great poets of the time. Sai in 1930, with Branquinho da Fonseca and Edmundo Betancourt, considering it imposes restrictions on creative freedom.

Equates to death (bad) luck of positions without relief (altitude). The effort of every moment of life and literary production ...

Branquinho da Fonseca merge with a new magazine, Signal, which has a fairly short route. Later, Albano Nogueira, another, Manifesto. Ephemeral as well.

Comes the first book - Anxiety (1928), the following ramp, both poetry.

Beginning of what will be one of the most widespread and profound works of Portuguese literature ever. Writing is, since a constant set of emotions that can hardly be paralleled.

Here are Tribute and Abyss, both poetry and Unleavened Bread, and The Third Voice, the first prose works. In this last book using the pseudonym Michael Torga. Is your name not only for writing but for socializing with friends and everything else.

The books mentioned above are exhausted or have been seized or withdrawn from the market.

From 1936 back to poetry with The Other Book of Job, reissued in 1944 and will have until 1998, three more editions.

Its production starts to be visible,

Mourning continues in poetry (1943) and Liberation (1944), appeal the hope that

come visit and the angel of the poem,
and bring the heat and the wood
the fire request.

Here are Odes (1946), Nihil Sibi (1948). In 1950 the Song of Man, just reissued. Without setting aside the strength and hope, song of lament of the human condition:

But the fruit of humiliating failure
It has a sour taste that turns me on
Junquera flowers the floor of the old world:
Here comes the future!

Shortly afterwards (1952) Some Iberian Poems. In 1954, the pains of Purgatory:

(...) This torment
(....) Secret in this fire burning
And that even deleted or dominated, insists. "

Four years later Orfeu Rebelde, nonconformity before the limits:

            Corner as those who use
            The verses in self-defense.
            Canto, without asking the Muse
            If the corner is terror or beauty.

And yet, in the same book:

I was born subversive.
Starting with me - my main reason
of dissatisfaction.

In poetry, even Burning House (1962) and Iberian Poems, translated them into Spanish and French.

Here is not confined to poetry. In 1941 begins publishing the Journal that over sixteen volumes, will include a number of prose poems alongside varied. Consideration of the more varied, intimate introspection, poetry, chronicle and analyze political, social, criticizes customs, landscape notes. Examination of cultures, travel impressions. It would be enough for Torga was considered the largest, not only the century, but as always, not only Portuguese but universal.

The theater is also worth your creative effort. Publishes The Paradise Symphony (whose seizure referred to dislike), Sea and Mainland (drama of rural life and the endless waiting for those who were absent - brides, family).

In prose appeared in 1938 Creation of the World - The First Two Days will continue with the Third Day of Creation of the World to The Sixth Day of Creation of the World (1981), in a sense autobiographical, is complemented by the Journal.

Portugal, whose last edition dated 1993, includes excerpts above, it is explained by the Homeland poem that serves as prologue:

             (...) Today
             I only know like
             a sliver of land
             trimmed sea.

The novel also holds. Harvest will be the main title of this literary type. The quality does not suffer from the defense, but is relatively less valuable than the other generation, for reasons exogenous to the quality, says António Arnaut.

In the tale many see the summit of his qualities as a writer. Tales from the Mountain, once again the tragedies of rural life.

Animals appeared in 1940, reissued shortly after, successive translations to very varied languages. Animals with human feeling or human beings dressed in animals. Or a fellowship of men and animals. All in a mortar life. The dog Nero, Tenorio rooster, the donkey Morgado, the Rogue, Ramiro. And the Magdalene, walking hand against the contradiction between culture and life.

His writings comprise several anthologies alongside the big names.

Translations of his books in several languages: Spanish, French, English, German, Chinese, Japanese, Croatian, Romanian, Norwegian, Swedish, Dutch, Bulgarian. Sometimes preceded by his preface.


Amado will consider it above awards including the Nobel, so that is proposed in 1960. Unsuccessful, possibly due to interference from power then. Again be considered one year later, without his having been given, as is known.

Not wishing to show him, interview his friends disgust.

Averse to awards, refuses the prize in 1954 "Almeida Garrett".

However you are given several others. In 1976 the "International Poetry Prize" Knokke-Heist and, some years later, "Montaigne Prize", the German Foundation FVS Nationals, among others, in 1989 received the "Prize Camões," the "Person of the Year Award" (1991) and the following year, the prize for "Literary Life" of the Portuguese Association of Writers in their first assignment. Had already received the literary prize in 1969 "Daily News" and in 1980, former aecquo Carlos Drummond de Andrade, the "Prize Morgado de Mateus". The creative capacity of Miguel Torga will remain until close to death, which will occur in 1995.

1907: Nasce Adolfo Correia da Rocha em S. Martinho de Anta (distrito de Vila Real). - 1920: Emigra para o Brasil. - 1925: Regressa do Brasil. - 1927: Fundação da "Presença" em que colabora desde o começo. - 1928: Ingressa na Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra; Ansiedade, primeiro livro, poesia. - 1930: Deixa a "Presença". - 1931: Pão Ázimo, primeiro livro em prosa. - 1933: Formatura em Medicina. - 1934: A Terceira Voz, prosa; passa a usar o pseudónimo Miguel Torga. - 1936: O outro livro de Job, poesia. - 1937: A Criação do Mundo - Os dois primeiros dias. - 1939: Abertura do consultório médico, em Coimbra. - 1940: Os Bichos. - 1941: Primeiro volume do Diário; Contos da Montanha, que será reeditado no Rio de Janeiro; Terra firme, Mar, primeira obra de teatro. - 1944: Novos Contos da Montanha; Libertação (poesia). - 1945: Vindima, o primeiro romance. - 1947: Sinfonia (teatro). - 1950: Cântico do Homem (poesia); Portugal. - 1954: Penas do Purgatório (poesia) - 1958: Orfeu Rebelde, poesia. - 1965: Poemas Ibéricos. - 1981: Último volume de A Criação do Mundo. - 1993: Último volume do Diário (XVI). - 1995: Morre Adolfo Correia da Rocha.


Adolfo Correia da Rocha, que será conhecido por Miguel Torga, nasce em 12 de Agosto de 1907, em S. Martinho da Anta, concelho de Sabrosa, Trás-os-Montes. Filho de gente do campo, não mais se desliga das origens, da família, do meio rural e da natureza que o circunda. Mesmo quando não referidos, estão sempre presentes o Pai, a Mãe, o professor primário Sr. Botelho, as fragas, as serranias, a magreza da terra, o suor para dela arrancar o pão, os próprios monumentos megalíticos em que a região é pródiga.

Entra no Seminário, donde sai pouco depois.

Emigra para o Brasil em 1920. Trabalha na fazenda do tio, é a dureza da "capinagem" do café. O tio apercebe-se das suas qualidades. Paga-lhe ingresso e estudos no liceu de Leopoldina, onde os professores notam as suas capacidades.

Regressa a Portugal em 1925. Entra da Faculdade de Medicina de Coimbra. Participa moderadamente na boémia coimbrã. Ainda estudante publica os seus primeiros livros. Com ajuda financeira do tio brasileiro conclui a formatura em 1933.

A família é um dos pontos fulcrais da sua vida. O pai, com quem a comunicação se faz quase sem necessidade de palavras, é um dos fortes esteios da sua ternura, amor e respeito. Cortei o cabelo ao meu pai e fiz-lhe a barba.(...) Foi sempre bonito, o velhote... Recorda os braços do pai pegando pela primeira vez na neta, recém nascida. O mesmo amor em poemas dedicados à mãe. Por sua mulher e filha um afecto profundo, também.

Uma parcela de arrogância, um certo distanciamento dos homens, timidez comum aos homens vindos dos meios humildes:

Nem sempre escrevi que sou intransigente, duro, capaz de uma lógica que toca a desumanidade. (...) Nem sempre admiti que estava irritado com este camarada e aquele amigo. (...) A desgraça é que não me deixam estar só, pensar só, sentir só.

O desejo de perfeição absoluta e de verdade:

Que cada frase em vez de um habilidoso disfarce, fosse uma sedução (...) e um acto sem subterfúgios. Para tanto limpo-a escrupulosamente de todas as impurezas e ambiguidades.

Não dá nada a ninguém, diz-se. Imensas consultas gratuitas como médico, desmentem a atoarda. Não dispõe de recursos folgados, confidencia a alguns amigos. Compreende-se: por motivos políticos, a sua mulher, Profª. Andrée Crabbé Rocha, é proibida de leccionar e, ao longo dos anos iniciais, altos são os custos editoriais do que publica...

A ideia da morte e da solidão acompanham-no permanentemente. Desde criança mantêm-se presentes no corpo e no espírito. Dos vinte e cinco poemas insertos no último volume do Diário, cerca de metade evocam-nas. Não porque atinja já uma idade relativamente avançada ou sofra de doença incurável. Na casa dos quarenta e até antes, já o envolvem. Não se traduzem em medo, mas no sentido do limite. Criança ainda, uma noite, sozinho, (...) desamparado e perplexo, assiste à morte do avô. O que não será estranho à obsessão.

No enterro de Afonso Duarte, ao fazer o elogio fúnebre afirma que a morte purifica os sentimentos.

O homem é, por desgraça, uma solidão: Nascemos sós, vivemos sós e morremos sós.

Viajante incansável por todo o país e estrangeiro. Visita a China e a Índia já próximo dos oitenta anos. Pareço um doido a correr esta pátria e nem chego a saber por quê tanta peregrinação.

Os monumentos entusiasmam-no. Os Jerónimos, a Batalha e Alcobaça têm sentido na Alma da nação. Mafra é uma estupidez que justifica uma punição aos reis doiros que fizeram construir o convento. Os monumentos paleolíticos fascinam-no.

Sou uma encruzilhadas de duas naturezas. De variadíssimas, dirá quem bem o conhece...

Morre em 17 de Janeiro de 1995. Enterrado em S. Martinho da Anta, junto dos pais e irmã.


"Camões fez versos a martelo" diz Miguel Torga. Entretanto, o que está a acontecer no resto do mundo? Consulta a Tábua Cronológica.

O relacionamento com as pessoas, ao nível artístico, literário ou qualquer outro, não é fácil. Mais difícil com personalidades ou pessoas com visibilidade pública, mais afável com os humildes.

Tem zangas com os amigos de tertúlia. Em regra não são ultrapassadas.

No exercício da profissão dá consultas médicas gratuitas. Perde-se em conversas com os doentes, sobretudo se de condição modesta ou da sua região.

Não dá autógrafos ou apõe dedicatórias nos seus livros, para que o leitor esteja inteiramente livre para julgar o texto.

Uma alta personalidade política queixa-se ao próprio escritor da recusa que teve. Compara-a com a melhor sorte de uma senhora por ambos conhecida. Responde que não tem que se admirar pois faltam-lhe os atributos de beleza e elegância da senhora... Sem qualquer malícia, pois não é dado a dizeres brejeiros.

Tampouco se presta a prefaciar obras de outros colegas de escrita, salvo eventuais excepções. A crónica coimbrã conta, talvez com os excessos habituais, que, solicitado por um novato, explica a recusa perguntando: pretende publicar a sua obra ou o meu prefácio?

Não mostra receio de criticar quem quer que seja, mesmo os divinizados. De Camões fala de versos feitos a martelo. Considera o título d’Os Lusíadas a expressão da nossa tacanhez e os versos mais ilegíveis do que os da Divina Comédia. Exprime, apesar disso, enorme admiração pelo vate e pela sua obra.

Atribui aos nossos bem pensantes de serviço a ausência da mais pequena dúvida.

A sua desconfiança e menos paciência com os intelectuais é bastante viva: converso até onde me vejo obrigado, (...) largo-o logo que posso e regresso a um convívio menos tenso e mais fecundo, (...) sem esperança nos letrados, (...) junto dos analfabetos encontro ainda o riso, a indignação, o espanto...


O Reino Maravilhoso de Trás-os-Montes, é um dos seus grandes amores. Sempre na sua alma viaja com ele, parece vê-lo em toda a parte. Surge a cada momento na sua prosa. Sempre enaltecida como terra de Deus e dos deuses.

Não sendo apenas dele, sê-lo-á apenas dos que queiram merecê-lo. Assim o diz em Portugal, onde faz um quadro de outro dos seus amores: o país.

Esta adoração conduz a excessos. No vizinho Minho mostra-se enfastiado com a presença permanente do verde. Desanimado, à procura de um Minho com menos milho, menos erva, menos videiras de enforcado. Encontra-o onde a relva dá lugar à terra nua, parda, identificada com o panorama humano. Ou seja: com o seu Trás-os-Montes natal.

Nesse seu torrão vê o que os outros não conseguem ver. Um paraíso onde basta estender a mão e logo se desentranha em batatas, azeite, figos, nozes. Um sem número de outras riquezas e mimos que nenhuma imaginação descreve.

Mas anos antes falara do Marão, que não dá palha nem grão, as crianças famintas a pastar ervas.

Reconhece que o estar bem jantado é condição para admirar a beleza da cor e do relevo dos cumes das serranias...

O exagero atinge níveis que só a simbiose da paixão com a poesia e os sem limites da genialidade explicam. As rixas entre os naturais que às vezes se agridem, (...) que parecem feras, resulta de uma exacerbação de puras e cristalinas virtudes...

Évora e os seus monumentos atraem-no vivamente. Ela sintetiza a diversidade dos povo anteriores, latinos, mouros e os outros..

O seu amor pela Pátria, um íman, surge linha a linha. Vai a Espanha, Verin e delicia-se do alto de um castelo a olhar Portugal.

Um tanto estranhamente aceita o conceito da multicontinentalidade, embora temperado pelo seu humanismo universalista. Mais tarde vinca as diferenças de privilégios entre as duas etnias.

Cada monumento, cada pedra, cada planície, o mar, a serra, desde que portugueses, são fervorosamente enaltecidos...

Um certo iberismo: a minha pátria cívica acaba em Barca de Alva, (...) a telúrica nos Pirinéus.

Não reflecte uma posição pela união política. É feito das própria referências a um legado cultural e um destino comuns. Em A Vida (Poemas Ibéricos) ao referir os povos vasco, andaluz, galego, asturiano, catalão e português, esquece os castelhanos. Colocando os heróis lado a lado, chama desumano e brutal a Cortez, enquanto de Albuquerque parece apenas que chora o seu chorar:

(...) Por isso a Índia há-de acabar em fumo
Nesses doirados paços de Lisboa;
Por isso a pátria há-de perder o rumo
Das muralhas de Goa.

Publicado antes do livro, nos Poemas Ibéricos sobressairá o que dedica a Lorca. Antecedendo o prefácio da sua mulher à edição bilingue (português e castelhano em tradução de Eugénio de Andrade), Torga diz trazer torgas à rosa de Granada e que virá enquanto houver poesia, vida e povo na Ibéria.


Torga valoriza e desvaloriza Coimbra. Entretanto, o que está a acontecer no resto do mundo? Consulta a Tábua Cronológica.

Coimbra é uma das ligações de Torga à vida. Aí estuda e, depois de 1939, aí exerce medicina, aí vive, aí a sua actividade criadora se revela como vulcão em permanente actividade. Tem as suas tertúlias e os seus amigos e passa todos os dias umas horas de cavaqueira com o seu amigo João Fernandes, antes de chegar ao Central, à Brasileira ou ao Arcádia.

Coimbra suscita-lhe sentimentos opostos: paixão e timidez, a humildade e a desumildade, a (des)valorização do que está próximo.

As suas posições políticas ligam-se aos seus conceitos criticas quanto ao ensino universitário de então. A Universidade, casarão para ensinar camponeses (...) defende-se de toda a originalidade ou pensamento subversivo (...). A mistificação da borla e capelo.

Devoto de tudo o que é belo e monumental, no seu Portugal não tem uma palavra para a Igreja de Santa Cruz, para a Sé Velha, Almedina, Igreja de Santiago. Ou para as ruelas da Baixa, com o seu encanto especial que não deixa ninguém indiferente.

Começa o capitulo que lhe dedica com uma citação do que Eça põe na boca do conselheiro Acácio, chamando-lhe odalisca reclinada nos seus aposentos...

A tradição parola explica este estado de espírito. Mais longamente exposto em trecho intitulado A Formatura transcrito em Memórias de Alegria, volume antológico organizado por Eugénio de Andrade, onde se fala das praxes e tradições do meio académico. Sempre as combateu abertamente. À capa e batina, símbolos anacrónicos, chama farda.

Crime de lesa praxe, efectua o seu acto de formatura com o seu fato banal. Não evita que as suas vestes, conforme o costume, sejam rasgadas e destruídas pelos colegas.

Embora amaciada, esta aversão mantém-se. A Queima das Fitas, em 1957, é um dos seus aniversários fúnebres...

Mas Coimbra é um dos seus amores. Aí vive, trabalha e passa o seu tempo. A mais bela cidade do pais", (...) cenário para um perpétuo renascimento do espírito.


Não é fácil, com rigor, situar Torga politicamente. Antes do 25 de Abril, sem dúvida é um homem da oposição, do "contra".

Várias prisões e algumas das suas obras apreendidas.

Viajando a Paris aí convive com exilados que, em grande número, virão a constituir o Partido Socialista. Sugerem-lhe que com eles fique. Recusa com o argumento de que não se ajustará à distância do Pais.

Volta, é preso pela polícia política, e encerrado no Aljube.

O passaporte é-lhe negado várias vezes.

Preside á primeira reunião do órgão regional do Centro do Partido Socialista. Esclarece que não é filiado, e que o faz na qualidade de homem socialista que sempre foi. É mais sensível a uma ética do que a uma ideologia, mais (...) fraterno que disciplinadamente correligionário.

Afirma que não será com sistemas e métodos alheios (...) que permaneceremos de bem com o nosso semblante constitutivo e lançados na senda progressiva da democracia, (...) só o conseguiremos mediante soluções originais. (...) O capitalismo não hesita mesmo diante de um leito de sofrimento; aponta a sua incorrigível voracidade e, em outro trecho, vê raízes judaico-cristãs no comunismo.

Uns anos antes, a respeito dos intelectuais nos palcos da política, dissera: nada há de menos sociológico de que a aplicação a uma comunidade viva do estrito espírito do sistema. E acusa Sartre de ter posto o preconceito acima do conceito com o fim de promover a sua imagem, sem se importar de ter eventualmente corrompido gerações inteiras.

A sua manifesta impaciência para com os políticos e o seu distanciamento do poder, concilia-se com afirmações de que tem uma raiz anarquista. Os seus sentimentos políticos lembram um socialismo proudhoniano, com fortes interacções de um anarquismo nobre, profundamente humano, não violento. Sempre em oposição com o poder constituído, pelo que o poder representa de afastamento do humano que lhe serve de suporte.

O 25 de Abril, a par do sentido de libertação traz-lhe algumas desilusões - as perseguições, a procura de lugares. A política é para eles (os políticos) uma promoção e, para mim, uma aflição. Com ironia e descrença relata conversas que os políticos têm com ele, independentemente da convergência ou divergência no plano partidário.

Não apoia nem tem a mínima simpatia pela União Europeia. Ela ofende o seu espirito patriótico e o seu ideal de Pátria. É o repúdio de um poeta português pela irresponsabilidade com que meia dúzia de contabilistas lhe alienaram a soberania (...) e Maastricht há-de ser uma nódoa indelével na memória da Europa. Exulta com o não dos dinamarqueses ao primeiro referendo.

Sobre a regionalização, pergunta: o mundo a braços com o drama das diversidades e nós, que há oitocentos anos temos a unidade nacional no território, na língua, nos costumes e na religião, vamos desmioladamente destruí-la?

Adolfo Rocha decide adoptar o pseudónimo de Miguel Torga. Entretanto, o que está a acontecer no resto do mundo? Consulta a Tábua Cronológica.

Torga e os seus "Bichos" com sentir humano. Entretanto, o que está a acontecer no resto do mundo? Consulta a Tábua Cronológica.

Decide adoptar o pseudónimo de Torga. Não escolhe o nome por acaso. Torga, ou urze, planta bravia, humilde, espontânea e com o seu habitat no chão agreste por todo o Portugal, mas particularmente nas serranias do norte, é o correspondente no reino vegetal dessa força que será o poeta e o prosador.

Mais que um prenúncio é todo um programa. Da insubmissão à própria natureza e, em todos os outros planos, humano, político, social, que constituirão a sua obra, plena de força, independência e intransigência. Contra todas as barreiras, vertentes aparentemente contraditórias mas que se complementam, expõe a sua verdade sem quaisquer restrições na apreciação de pessoas, acontecimentos e factos; não receia atacar o estabelecido ao mesmo tempo que não põe de lado conceitos conservadores em que acredita; altera as suas próprias posições desde que a "sua" verdade o exija. Não há uniformidade de critério possível perante a surpreendente e paradoxal diversidade da vida (Diário XII, p.133).

Na década de 20, as suas primeiras publicações, ainda estudante, são assinados por Adolfo Correia da Rocha, o nome de baptismo.

Adere, logo na fundação, ao grupo da Presença com a companhia dos grandes poetas do tempo. Sai em 1930, com Branquinho da Fonseca e Edmundo Betancourt, por considerar haver imposição de limites à liberdade criativa.

Equipara à morte a (má) sorte das posições sem relevo (Altitude). O esforço de todos os momentos da vida e na produção literária...

Funda com Branquinho da Fonseca uma nova revista, Sinal, que tem um percurso bastante curto. Mais tarde, com Albano Nogueira, uma outra, Manifesto. Efémera também.

Surge o primeiro livro - Ansiedade (1928) , a que se segue Rampa, ambos poesia.

Inicio do que será uma das mais vastas e profundas obras da literatura portuguesa de sempre. Escrever será, desde então, um constante fixar de emoções que dificilmente encontra paralelo.

Seguem-se Tributo e Abismo, ambos poesia, e Pão Ázimo e A Terceira Voz, os primeiros livros em prosa. Com este último começa a usar o pseudónimo Miguel Torga. Será o seu nome não só para a escrita mas para o convívio com os amigos e para tudo o mais.

Os seis títulos referenciados encontram-se esgotados ou foram apreendidos ou retirados do mercado.

A partir de 1936 volta à poesia com O Outro Livro de Job, reeditado em 1944 e que terá, até 1998, mais três reedições.

A sua produção começa a ter visibilidade,

Na poesia continua com Lamentação (1943) e Libertação (1944), apelo de esperança de que

venha o anjo da visita e do poema,
e traga o lume e a lenha
o incêndio pedido.

Seguem-se Odes (1946), Nihil Sibi (1948). Em 1950 o Cântico do Homem, logo reeditado. Sem pôr de lado a resistência e a esperança, cântico de lamento da condição humana:

Mas o fruto humilhante da falência
Tem um azedo gosto que me excita
Junquem de flores o chão do velho mundo:
Vem o futuro aí!

Pouco depois, (1952) Alguns Poemas Ibéricos. Em 1954, Penas do Purgatório:

(...) este tormento
(....) este lume secreto que nos queima
E que, mesmo apagado ou dominado, teima".

Quatro anos mais tarde Orfeu Rebelde, o inconformismo perante os limites:

            Canto como quem usa
            Os versos em legitima defesa.
            Canto, sem perguntar à Musa
            Se o canto é de terror ou de beleza.

E ainda, no mesmo livro::

Nasci subversivo.
A começar por mim - meu principal motivo
de insatisfação.

De poesia, ainda Câmara Ardente (1962) e Poemas Ibéricos, estes traduzidos para espanhol e francês.

Não se confina aqui a produção poética. Em 1941 começa a publicação do Diário que, ao longo de dezasseis volumes, incluirá inúmeros poemas ao lado de prosa variada. Apreciação dos acontecimentos mais variados, introspecção intimista, poesia, crónica e análise política, social, critica de costumes, apontamentos de paisagem. Exame de culturas, impressões de viagem. Seria suficiente para que Torga fosse considerado dos maiores, não só do século, mas de sempre, não apenas português mas universal.

O teatro merece também o seu esforço criador. Publica O Paraíso, Sinfonia (de cuja apreensão refere o desgosto), Mar e Terra Firme (drama do viver rural e a espera infinda pelos que se ausentaram - noivas, família).

Em prosa surgira já em 1938 A Criação do Mundo - Os Dois Primeiros Dias que continuará com o Terceiro Dia da Criação do Mundo até a O Sexto Dia da Criação do Mundo (1981) que, num sentido autobiográfico, se complementa com o Diário.

Portugal, cuja ultima edição datada de 1993, engloba trechos anteriores, é explicado pelo poema Pátria que lhe serve de prólogo:

             (...) Hoje
             sei apenas gostar
             duma nesga de terra
             debruada de mar.

O romance igualmente o ocupa. Vindima constituirá o principal titulo deste tipo literário. A qualidade não sofre contestação, mas é relativamente menos valorizado que a restante produção; por razões exógenas à qualidade, opina António Arnaut.

No conto vêem muitos o cume das suas qualidades como escritor. Contos da Montanha, mais uma vez os dramas da vida rural.

Bichos surge em 1940, reeditado pouco depois, traduções sucessivas para variadíssimas línguas. Animais com sentir humano ou seres humanos vestidos de animais. Ou uma irmandade de animais e homens. Tudo numa argamassa de vida. O cão Nero, o galo Tenório, o jerico Morgado, o Ladino, o Ramiro. E a Madalena, caminhando na contra mão da contradição entre cultura e vida.

Os seus escritos integram várias antologias ao lado dos grandes nomes.

Traduções dos seus livros em várias línguas: espanhol, francês, inglês, alemão, chinês, japonês, croata, romeno, norueguês, sueco, holandês, búlgaro. Por vezes precedidas de prefácio seu.


Jorge Amado considerá-lo-á acima dos prémios, inclusive do Nobel, para que é proposto em 1960. Sem êxito, possivelmente por interferências do Poder de então. Voltará a ser considerado uns anos mais tarde, não lhe tendo sido atribuído, como se sabe.

Não pretendendo mostrá-lo, os amigos entrevêem o seu desgosto.

Avesso a galardões, recusa em 1954 o prémio "Almeida Garrett".

São-lhe entretanto atribuídos vários outros. Em 1976 o "Prémio Internacional de Poesia" de Knokke-Heist e, alguns anos mais tarde, o "Prémio Montaigne", da Fundação Alemã F.V.S. Dos nacionais, entre outros, recebe em 1989 o "Prémio Camões", o "Prémio Personalidade do Ano" (1991) e, no ano seguinte, o prémio "Vida Literária" da Associação Portuguesa de Escritores, na sua primeira atribuição. Havia já recebido em 1969 o prémio literário "Diário de Notícias" e, em 1980, ex-aecquo com Carlos Drummond de Andrade, o "Prémio Morgado de Mateus". A capacidade criadora de Miguel Torga manter-se-á até próximo da morte, que irá ocorrer em 1995.

Photo of Torga, Miguel


You could add Torga, Miguel to a list if you log in.

Links (outside Open Library)

No links yet. Add one?

Alternative names

History Created April 1, 2008 · 6 revisions
Download catalog record: RDF / JSON

June 28, 2011 Edited by JC DI BALDACIARA Edited without comment.
June 28, 2011 Edited by JC DI BALDACIARA Edited without comment.
June 28, 2011 Edited by JC DI BALDACIARA Edited without comment.
June 28, 2011 Edited by JC DI BALDACIARA Added new photo
April 1, 2008 Created by an anonymous user initial import